Você já percebeu como é difícil abrir ou encerrar uma conta-corrente em banco? E o trabalho que dá abrir e manter uma conta em mais de um banco? A maioria das pessoas foge dessa situação e concentra suas demandas de serviços bancários (conta-corrente, cartões de crédito, financiamentos, investimentos, etc) em uma só instituição financeira.

Em geral, isso acontece por conta da burocracia, falta de flexibilidade e os altos custos envolvidos na obtenção de serviços bancários no Brasil, os quais impactam diretamente a vida do consumidor. Com isso, o mercado observou, durante os últimos anos, o nascimento de diversas fintechs que buscavam mudar a experiência do brasileiro junto aos serviços financeiros.

Bank as a Service

Empréstimos, assessoria financeira e rápido acesso a serviços do tipo: esse foi apenas o início do movimento trazido pelas fintechs no Brasil. Apesar desse grande avanço, o mercado financeiro pode encontrar um novo paradigma na sua atuação e na maneira que interage com o público,  caso o Banco Central do Brasil implemente por aqui uma regulamentação similar àquela que será adotada pela União Europeia a partir de janeiro de 2018, a qual se convencionou chamar de “PSD2”, ou “Payments Service Directive 2”.

O PSD2 promete impor às instituições financeiras “tradicionais” a obrigação de abrir seus APIs (Application Programming Interface), de modo a permitir que aplicações desenvolvidas por terceiros (como por exemplo, uma fintech de pagamentos) possam “conversar” com os sistemas das instituições financeiras e até mesmo dar instruções ou comandos através de uma plataforma independente operada por fintechs (claro, sempre que tal acesso tenha sido autorizado pelo usuário da plataforma e seguindo rígidas regras de segurança).

Regras

Mas as implicações são ainda mais profundas. Ao serem obrigadas a disponibilizar o acesso de terceiros ao seu “open API”, as instituições financeiras perderão o monopólio do acesso às informações transacionais de seus clientes. E é aí que a revolução começa.

Com essas informações disponíveis às fintechs, a oferta de serviços e produtos bancários passa a ocorrer de maneira muito mais dinâmica e transparente, o que dará muito mais poder aos clientes na hora de escolher, mudar ou encerrar relacionamentos com suas instituições financeiras. Além disso, os impactos concorrenciais e econômicos podem ser enormes, especialmente porque a transparência gerará uma maior concorrência entre os players do mercado.

As fintechs que operarem plataformas baseadas no PSD2 poderão se tornar verdadeiros marketplaces de produtos e serviços bancários, permitindo que o usuário tenha, em uma única interface (oferecida pela fintech), uma visão consolidada de todos os seus relacionamentos bancários, podendo inclusive receber ofertas e migrar de produtos de maneira muito mais fluida.

Nesse sentido, o PSD2 pode ser considerado uma “portabilidade com esteroides”, mas muito mais disruptiva, por ser mais ampla e também por colocar nas mãos do usuário o poder de escolher quem será o “gestor” dos seus produtos, serviços e informações bancárias.

Essa discussão está apenas no começo, mas se a história se repetir, o mercado brasileiro poderá estar mais perto de uma regulação do que imagina. Isso porque, em 2007, a União Europeia publicou o Payments Service Directive 1 – PSD1, que tratou das regras aplicáveis aos serviços de pagamento de varejo (incluindo cartões de crédito, débito e pré-pago).

As regras, amplamente detalhadas e preocupadas com o aumento de competitividade nos mercados, serviram de inspiração para as normas implementadas pelo Banco Central do Brasil em 2013, que regulamentaram os famosos “arranjos de pagamento”. Não seria estranho se o regulador brasileiro, alinhado com os princípios europeus de eficiência, competitividade e barateamento de custos ao usuário final, fizesse o mesmo no Brasil.