Conheça a TravelBank, a fintech que viabiliza viagens! - Pagamento.me
Connect with us

Fintechs

Conheça a TravelBank, a fintech que viabiliza viagens!

Redação Pagamento.me

Published

on

travelbank

As fintechs realmente chacoalham diversos segmentos. Desde o varejo até o mercado imobiliário, as startups focadas em inovação financeira, têm aberto novos horizontes para diversas outras formas de se fazer dinheiro no mundo. Em crédito, bitcoins, pagamento, investimento, risco e agora: viagens.

Esse é o caso da TravelBank, startup financeira focada em soluções voltadas para viajantes profissionais e empresas com grandes volumes de gastos com viagens de executivos. Fundada em 2015, em São Francisco – USA, a TB é uma dessas fintechs que já nascem com “cara de grande”. Não parece ter sido à toa inclusive, o investimento de R$30 milhões recebido no dia 21/10, vindo da Accel Partners.

Com um aplicativo (muito funcional, inclusive) a startup permite desde o planejamento de gastos, o gerenciamento de despesas, até a recompensa financeira com economias geradas através das decisões de funcionários, empresas e viajantes comuns. Além disso, esses gastos podem ser administrados de forma manual (no caso de uploads de reembolsos através do app) e com conexões diretas e integradas com softwares como QuickBooks, NetSuite e Bill.com.

Veja o vídeo abaixo.

A modalidade de recompensa é o que chama atenção no aplicativo. Se o funcionário decidir por usar um hotel mais barato ou comer em um lugar mais em conta (sugerido pelo app) ele recebe de volta uma recompensa financeira por ter ajudado a empresa a economizar. Segundo o fundador Duke Chung, a empresa já detectou por intermédio de um BI do próprio app, que até a escolha do vinho (em despesas de reuniões com clientes) já foi sensibilizada. É o fim do reembolso, planilhas de excel e controles ineficazes para controlar gastos de viagens.

A oportunidade? As empresas gastam em média U$1,2 trilhões em despesas com viagens corporativas.

Fintechs

A nova fintech dos fundadores do Pagar.me

Redação Pagamento.me

Published

on

pagar.me fundadores

Os fundadores do Pagar.me, Henrique Dubugras e Pedro Franceschi têm um novo negócio.

*Atualizado 19/06/2018

Prodígios, lançaram a empresa em 2013 quando ainda tinham apenas 18 anos. Viraram notícia, porque conseguiram desenvolver um facilitador de pagamentos diferente: moderno e pensado no usuário, especialmente naqueles de tecnologia. Ganharam prêmios como Spark Awards (da Microsoft) e The Innovation Project 2014 (em Harvard). Era raro de se ver, especialmente pela idade dos dois.

Dos desbloqueios de iPhone aos fundos de investimento

O sucesso dos garotos chamou atenção do mercado e obviamente, dos tubarões. Depois de receberem investimento da Grid Investments, fizeram um acordo com a Arpex Capital de André Street. Daí por diante, a empresa recebeu suporte financeiro e operacional, para crescer para centena de colaboradores e milhares de clientes. Também veio o suporte da Stone, adquirente lançada pelo grupo e a mentoria de um grupo de empreendedores que conhecia o mercado de pagamentos como ninguém. A dose até parecia ter sido demais, já que na época, a solução desenvolvida pelos jovens empreendedores era superior inclusive, as do próprio grupo, que incluía soluções como Mundipagg e Moip (onde a Arpex tinha participação).

Era o que qualquer empreendedor sonhava: lançar algo de sucesso e fazer o negócio crescer com um sócio forte. Mas não parecia o suficiente para os dois.

fundadores pagar.me
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn

Fundadores do Pagar.me em premiação de Harvard. (Arquivo Pessoal)

Fato é que o desejo dos dois empreendedores de estudar fora, falou mais alto. Venderam a empresa para a Stone e sua holding, fizeram as malas para estudar em Stanford e agora, vão empreender novamente. Só que dessa vez, no mercado mais competitivo do mundo: o americano.

Brex, a nova fintech dos fundadores do Pagar.me

A carreira de Pedro e Henrique nem são tão meteóricas assim. O dois, apesar da pouca idade na fundação do Pagar.me, já haviam empreendido (e aprontado) antes. Veja esse vídeo do Pedro Franceschi no TEDx e entenda.

Agora, eles preparam uma nova “porrada”.

Eles estão há alguns meses trabalhando no projeto Brex, que ainda está sendo mantido em segredo, mas já recebeu investimento pessoal de Peter Thiel e Max Levchin (co-fundadores do PayPal), Carl Pascarella (ex-CEO da Visa), Yuri Milner (investidor do Facebook), do fundo Ribbit Capital, da Y-Combinator e pelo que foi pesquisado, dos fundadores da 3G Capital.

Investidores de peso já estão on board! (Foto: Pitchbook)
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn

Investidores de peso já estão on board! (Foto: Pitchbook)

A Brex, ao que tudo indica é uma fintech que gerencia processos de pagamento de despesas corporativas, contabilidade, emite cartão empresarial e provê outros serviços essenciais para empresas. A sede da Brex, na Market Street (coração de São Francisco-USA),  já tem quase 20 colaboradores e está atrás de diversos engenheiros para ajudar na construção dessa nova fintech.

No dia 19/06 às , depois da nossa divulgação, a empresa divulgou ao mercado investimento total de U$57 milhões.

Vem coisa boa aí.

Go boys!

Continue Reading

Conteúdo Exclusivo

IBM compra fintech

Leandro De Andrade

Published

on

Continue Reading

Fintechs

Sexta-feira difícil para o segmento

Rodrigo Dantas

Published

on

Nem é Sexta 13. Mas hoje o dia está difícil para fintechs.

O Neon, banco digital paulista, sentiu o peso da caneta do Banco Central, ao receber a liquidação das operações hoje, às 08h da manhã. Bomba.

Neon e o Banco Central

A ação do banco central, foi especialmente sobre o Banco Neon SA, antigo Banco Pottencial de Minas Gerais, que dava suporte e a carta patente para a Neon Pagamentos SA (essa sim, fintech) a operar os serviços financeiros numa joint venture. Existem duas empresas nessa história: Banco Neon e Neon Pagamentos.

“Nenhuma fintech está sendo liquidada, e inclusive todas as operações da Neon Pagamentos estão sendo preservadas,” o Banco Central disse ao Brazil Journal. “Ela é livre para buscar outras parcerias com outras instituições financeiras.”

Segundo o BC, Conrade “não tem nem uma ação do Banco Neon. São os controladores do Neon que têm uma participação minoritária na Neon Pagamentos.”

Mesmo com a confusão do mercado (e desespero de milhares de clientes), é uma notícia que abalou o mercado hoje pela manhã.

Banco Inter e o vazamento de dados

Outra que doeu, foi o vazamento de dados divulgado pelo Tecmundo. 100 mil clientes foram expostos, segundo o hacker “John” que pediu resgate em bitcoins. Adivinha o que aconteceu com as ações do Inter, depois da notícia?

Em comunicado, feito na página do Facebook, o banco publicou:

“Esclarecemos que o Banco Inter foi vítima de tentativa de extorsão e que imediatamente constatou que não houve comprometimento da segurança no ambiente externo e nem danos à sua estrutura tecnológica. O fato foi comunicado às autoridades competentes e a investigação já está em andamento.

Trabalhamos com as melhores tecnologias de segurança digital e seguiremos com investimentos constantes para oferecer a melhor experiência para os nossos clientes.”

Desejo boa sorte ao Neon ao Inter. Esse é um momento duro para inovação. Independente dos fatos e apurações, onde o Banco Central sempre foi eficiente nas decisões, essa é o que podemos chamar de Sexta Feira complicada para as Fintechs.

….

Recomendo a leitura do excelente Brazil Journal, que fez um matéria legal sobre o caso do Neon.

Continue Reading
Advertisement A maior conferência do segmento financeiro

featured

Copyright © 2015 ~ 2018 Pagamento.me.