Connect with us

Fintechs

Wells Fargo demite 5,3 mil funcionários por fraudes milionárias.

Redação Pagamento.me

Published

on

wells fargo

Parece história de filme, mas a notícia é essa mesma: Wells Fargo demite 5,3 mil funcionários por fraudes milionárias.

Segundo o Departamento de Proteção Financeira ao Consumidor, os funcionários demitidos, teriam criado mais de 2 milhões de contas e cartões de crédito sem o conhecimento dos clientes desde 2011, para atingir metas de produção comercial. Ainda não foi confirmado, se o montante envolvido na fraude (cerca de U$5 milhões) foi desviado em benefício próprio dos funcionários. O que se sabe é que eram abertas contas e emitidos cartões para o cumprimento de metas. As fraudes mais comuns era a emissão de cartão para endereços falsos e transferência de dinheiro da conta corrente para cartões de crédito, afim de ativá-los.

O banco fez um acordo com os órgãos reguladores para pagar cerca de U$180 milhões de multa, pela fraude, que vem ocorrendo desde 2011. O susto nos americanos fez despertar um novo monstro (o da regulamentação). Assim como a crise de 2008, a falta de transparência em alguns processos bancários nos EUA, deve criar uma nova forma de regulamentar as instituições por lá. Os U$5 milhões envolvidos nos débitos e em cobrança de tarifas, serão devolvidos aos clientes.

O que assusta é que em cada cinco empréstimos feitos nos EUA, um é do Wells Fargo.

Welcome Fintechs!

O site Pagamento.me é um canal independente de notícias e tendências do mercado de meios de pagamento.

Fintechs

Revolut verá sua valorização subir para US $ 1,4 bilhão

Leandro De Andrade

Published

on

A avaliação da Revolut, uma startup de pagamentos internacionais, está programada para quintuplicar em menos de um ano devido a uma nova rodada de captação de recursos.

A DST Global, uma empresa de investimentos fundada pelo capitalista de risco russo Yuri Milner, deve liderar uma rodada que valoriza a empresa em cerca de US $ 1,4 bilhão. A Revolut vem atraindo investidores nos últimos meses para um acordo que arrecadaria cerca de US $ 150 milhões, mas o montante total arrecadado agora pode subir para US $ 250 milhões. A rodada ainda não está fechada.

No verão passado, a empresa sediada em Londres foi avaliada em uma rodada de cerca de 200 milhões de libras, de acordo com a PitchBook, sem incluir o novo dinheiro. Isso foi cerca de US $ 255 milhões em dólares americanos na época.

Um aumento de cinco vezes no valor não é normal, e é um pico raro em tempos geralmente difíceis para a indústria financeira ou fintech. Mas a empresa registrou um aumento no volume de transações – que, segundo a empresa, agora mede US $ 1,5 bilhão por mês.

A startup, liderada pelo CEO Nikolay Storonsky, funciona como um banco digital, permitindo que os usuários transfiram dinheiro em diferentes moedas sem taxas de transação (1,7 milhão de usuários e tem cerca de 350 funcionários).

DST e Revolut se recusaram a comentar.

A Revolut revelou recentemente seus planos de expansão para os Estados Unidos e agora permite que os clientes transfiram a moeda comum para criptomoedas como bitcoin.

Storonsky, nascido na Rússia, tem uma reputação na indústria como sendo particularmente agressivo e ousado.

“Não consigo ver como o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal ajudará você a construir uma start-up” , disse ele neste inverno.

“Você está competindo com players maiores, start-ups com mais dinheiro; você está competindo por clientes, você não tem recursos. Então, como você vai ganhar este jogo?”

Os investidores anteriores da Revolut incluem a Balderton Capital e a Index Ventures. Também levantou algum dinheiro através do crowdfunding.

Seu principal concorrente, a TransferWise, foi avaliado em US $ 1,6 bilhão e conta com o apoio de empresas de capital de risco, como a Andreessen Horowitz.

Nos últimos meses, a DST Global se concentrou cada vez mais no setor de fintech. O fundo também está liderando uma rodada de US $ 350 milhões na Robinhood, a empresa de negociação de ações que atende a geração do milênio e liderou uma rodada de US $ 150 milhões em Março na startup Nubank.

Continue Reading

Fintechs

Recente rodada de financiamento pode elevar o valor da Ant Financial para US$ 150 bilhões

Leandro De Andrade

Published

on

A Ant Financial, a empresa de tecnologia financeira que administra o popular serviço de pagamento móvel chinês Alipay, pretende levantar US $ 9 bilhões em uma nova rodada de financiamento privado, algo que poderia transformar a empresa no maior unicórnio fintech do mundo.

A empresa está aumentando sua meta para US $ 9 bilhões a partir de uma meta inicial de US $ 5 bilhões, informou o Wall Street Journal hoje.

Isso poderia elevar a avaliação da empresa para quase US $ 150 bilhões, segundo o WSJ, o que a colocaria muito acima das empresas financeiras sediadas nos EUA, como Goldman Sachs ou PayPal.

A empresa está levantando os fundos antes de uma oferta pública antecipada. Tudo isso vem depois que a empresa levantou US $ 4,5 bilhões em 2016, dando à Ant Financial sua avaliação atual de US $ 60 bilhões.

Continue Reading

Fintechs

ContaAzul recebe investimento de R$ 100 milhões para dobrar de tamanho em 2018

Leandro De Andrade

Published

on

A ContaAzul, startup de contabilidade fundada em 2011, anunciou na última terça-feira (03/04/2018) ter recebido um aporte de R$ 100 milhões a fim de expandir sua operação.

Com sede em Joinville (SC), a ContaAzul oferece uma plataforma em nuvem que facilita a contabilidade de pequenas empresas.

“Plataforma que permite ao dono do negócio organizar e ter mais controle da sua empresa, além de poder trabalhar de forma integrada com seu contador, eliminando o retrabalho, o excesso de papel e outras burocracias envolvidas nessa relação”. Vinicius Roveda, cofundador e CEO

A startup catarinense ContaAzul, que faz software de gestão para pequenas empresas, recebeu R$ 100 milhões em uma nova rodada de investimentos liderada pelo fundo americano Tiger Global Management, empresa de investimentos de Nova York que já havia investido na empresa catarinense em 2015,  que já apostou em empresas como 99 e Nubank.  A nova rodada de investimento, de R$ 100 milhões, foi a quarta e maior da história da ContaAzul.

“Acreditamos que o apoio da Tiger será fundamental para nosso próximo ciclo de crescimento”, disse Roveda em nota.

Os recursos serão usados para acelerar o crescimento da ContaAzul ao longo de 2018. O objetivo, segundo a empresa, é dobrar de tamanho até o fim do ano. Além da abertura de novos escritórios em grandes cidades brasileiras, outras frentes serão o reforço de conexões com instituições financeiras, apps, fintechs e governos, e a promoção de eventos voltados a contadores, incluindo um próprio marcado para outubro.

Em rodadas anteriores, a empresa de Joinville recebeu aportes de fundos como o Monashees e do próprio Tiger Global, além da aceleradora do Vale do Silício 500 Startups.

Continue Reading
Innovation pay

featured

Copyright © 2015 ~ 2018 Pagamento.me.